Quantas vezes em minha insensatez e ao mais simples som de calmaria deixei o clamor se esvair de meus lábios.

Como um animal decide empacar, quando seu dono na verdade quer prosseguir, assim é a minha vida diante da necessidade de te buscar.

Vejo então que as provações da vida me forçam a clamar e buscar-te, as mesmas, servem como chicotes que me fazem novamente caminhar.

Se é preciso o chicote das lutas, chicote das necessidades, do chicote das provações para estar em tua presença, não existe certamente virtude nenhum em mim por estar aqui.

O mérito se esvaiu quando na verdade minha carne não desejava estar aqui, porém venho, mesmo arrastado, venho, mesmo que obrigado pelos chicotes da vida, venho, mesmo sem ter nada a oferecer, pois sei que este é o melhor lugar que poderia estar, sua presença.

Pr. Alessandro Rocha

Deixe uma resposta