As Igrejas de Cristo constituem uma comunidade não denominacional que apareceu na América do Norte, fruto do Movimento de Restauração, ocorrido no fim do século XVIII início do século XIX.

Barton W. Stone em Kentucky (Presbiteriano até 1809); Thomas  Campbell e seu filho Alexander, no oeste de Pensilvânia (presbiteriano até 1809); e o evangelista Walter Scott na Pensilvânia e Ohio (batista até 1826) foram notáveis líderes do movimento.

Pastor Ozório Rodrigues Gonçalves

Aceitam o Novo Testamento como a única autoridade de Fé e prática, rejeitam credo e confissões formais, descansando na afirmação das Escrituras de que Jesus Cristo é o filho de Deus e cabeça de Sua Igreja.

No batismo, praticaram a imersão dos crentes, segundo a ordem apostólica “Arrependei-vos e cada um seja batizado em nome de Jesus Cristo, para a perdão de vossos pecados, e recebereis o Dom do Espírito Santo”. Atos 2:38. A Ceia do Senhor foi observada como a parte principal da adoração pública em cada Dia do Senhor, Atos 20:07.

No governo da igreja reconhecem a congregação local como uma unidade com governo próprio dirigidos por pastores e diáconos escolhidos por eles mesmo. As congregações e seus membros trabalham livre e independentes, e em conjunto organizam outros empreendimentos.

A IGREJA DE CRISTO NO MUNDO

A Igreja de Cristo no mundo conta com mais de 5 milhões de membros, 20000 congregações nos Estados Unidos e Canadá servidos por 30000 obreiros. Este grupo sustenta aproximadamente 4500 missionários em 74 países do mundo e contam com 100 faculdades e 10 seminários de pós-graduação nos EUA e Canadá e com centenas de outras instituições teológicas ao redor do mundo, para a educação da liderança da igreja. As igrejas de Cristo sustentam 40 lares para crianças abandonadas, 20 lares para idosos, 8 lares para idosos inválidos e 3 hospitais nos Estados Unidos, além de outros lares relacionados em missões no exterior.

As convenções Cristãs Norte Americanas, reuniam-se ocasionalmente, com este propósito nos idos de 1927 a 1948 e passaram a se encontrar anualmente desde 1950. Os mecanismos das convenções anuais são coordenadas por um escritório em Cincinnati Ohio. Cada convenção anual reúne em média 20000 pessoas para alguma parte de seu programa de 4 dias.

Uma “Convenção Missionária Nacional” servindo uma mesma constituição com um programa orientado para Missões, tem-se reunido todo ano desde 1947.

Teologicamente falando, os membros das Igrejas de Cristo, são reconhecidos pelo seu conservadorismo Bíblico na medida que eles procuram promover o Cristianismo do Novo Testamento, sua doutrina, suas ordenanças e sua Vida. “Falam onde a Bíblia fala e calam onde a Bíblia cala”.

O PROPÓSITO DA IGREJA DE CRISTO:

Nosso propósito é:
 • Estabelecer a Igreja de Cristo em nossa comunidade, de acordo com o padrão do Novo Testamento, estabelecido pelo próprio Cristo e seus apóstolos.
 • Exaltar a Jesus Cristo acima de qualquer lealdade sectarista ou partidária.
 • Efetuar a unidade de todos os cristãos, na Igreja que Jesus Cristo edificou, e sobre a qual declarou que nunca seria destruída (Mateus 16:18).
 • Cumprir a Grande Missão de Fazer discípulos de Jesus em todas as nações, batizando-os em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo.

PRINCÍPIOS BÍBLICOS DA IGREJA DE CRISTO:

A IGREJA DE CRISTO E SUA DOUTRINA:

Aceitamos e mantemos a Bíblia como a única regra de fé e prática para a Igreja de Cristo (II Timóteo 3:16-17). Ela é verdadeira, visto que é inspirada por Deus, e todos os homens sensatos podem compreendê-la.

Cremos que Jesus Cristo é o único Credo prescrito na Bíblia para nossa aceitação (Mateus 16:16 – II Timóteo 1:12 – Atos 4:12 – I Coríntios 2:2 – Hebreus 13:8)

Estamos prontos a receber conselhos de todos e encorajamos o escrutínio crítico por parte de todos os interessados. Se alguém puder demonstrar que não estamos proclamando todo conselho de Deus, estamos prontos a corrigir nosso erro.

Esforçado-nos por usar termo bíblicos quando aplicado às ideias bíblicas. As palavras representam ideias, pelo que, a fim de transmitir os pensamentos com a máxima correção, devem ser usadas as mesmas palavras empregadas na Escrituras (I Pedro 4:11). E por essa razão que a nós mesmos chamamos de cristãos (I Pedro 4:16) e também aceitamos o nome bíblico para a igreja.

Pregamos exclusivamente a doutrina bíblica. A Bíblia é explicita e clara no que concerne à salvação. Isso pregamos e defendemos (Judas 3). Pelo mesmo motivo, nos opomos a quaisquer tentativas de substituir a verdade bíblica pelas inovações humanas, seja na prática, seja na teoria.

Oramos incessantemente, como nos ensina as Escrituras (Lucas 18:1-8; I Tessalonissenses 5:17; Efésios 6:18; I Timóteo 2:8; Colossenses 4:2).

Praticamos exclusivamente as ordenanças estabelecidas por Jesus Cristo.

O batismo do novo crente arrependido (Marcos 16:15-16; Mateus 28:18-20; Atos 2:38; Romanos 6:-4)A Santa Ceia do Senhor como encontro semanal com Cristo Jesus (Lucas 22:19; I Coríntios 10:16-17; 11:25-28; E Atos 20:7).

A igreja local é mantida por meio dos dízimos e ofertas voluntárias (Malaquias 3:8-10); I Coríntios 9:6-10; I Coríntios 16:2; Galatas 6:8; Atos 20:35; Lucas 6:28 e Mateus 23:23)

Praticamos o Sacerdócio Universal de todos os crentes, fazendo todos responsáveis pela proclamação da boa mensagem e progresso do trabalho na igreja (Mateus 23:8; I Pedro 2:9)

Em nossa forma de governo da igreja local, somos congregacionais e independentes. Esse procedimento bíblico estabelece que a congregação local deve ser governada pelos pastores, localmente eleitos, servidos pelos diáconos, com aprovação da congregação. (I Timóteo 3:1-7; Hebreus 13:7; I Pedro 5:2-3; I Timóteo 3:8-13).

Cristo Jesus é o fundador e o Cabeça da igreja (Efésios 1:22; Mateus 16:16-18).

Cristo Jesus é o fundador da Igreja, sobre o qual a igreja está edificada (I Coríntios 3:11; Efésios 1:19-20; Mateus 16:16-18).

A igreja teve início no dia de Pentecoste, depois da ressurreição de Cristo (Atos 2:1-41).

O lugar de seu início foi Jerusalém (Atos 2:5)

O estabelecimento da Igreja foi efetuado por meio de: Pregação – Ouvir – Fé – Arrependimento – Confissão – Batismo. Visto que o padrão bíblico não dá lugar a qualquer outro sistema hierárquico ou qualquer controle exterior, nossas congregações locais são autogovernadas, sob direção de Cristo.

O Movimento de Restauração é um movimento espiritual de avivamento que começou por volta de 1800, sendo seu propósito retornar a Igreja a seu estado original em termos de doutrina, governo e vida. O modelo para esta restauração é a Palavra de Deus, ou, mais especificamente, o Novo Testamento.

Desde o início, este movimento tem sido enraizado na convicção de que a restauração da Igreja segundo este modelo é possível e desejável; de que este é o único modo para alcançar unidade cristã efetiva e genuína; de que a unidade da igreja é essencial para e levará á evangelização do mundo. Desta forma a oração de Jesus, como aparece no capítulo 17 do evangelho de João, se cumprirá.

Líderes têm falado sobre restaurar o cristianismo primitivo, o cristianismo bíblico, o cristianismo neo testamentário, o cristianismo apostólico, a ordem dos evangelhos. O Movimento tem sido chamado de Movimento de Restauração, a Reforma do século XIX, a Reforma Atual; o corpo de pessoas, de cristãos, Igreja Cristã, Igreja de Cristo, Discípulos de Cristo, Reformadores. “Capbelitos” e “Stoneítos” têm sido dois dos apelidos mais leves, livremente usados por aqueles que não simpatizam com os princípios e atividades do Movimento.

Uma análise das conversões documentadas no Livro de Atos levou à aceitação e proclamação da seguinte ordem em conversão: fé (aquela que vem pelo ouvir, e o ouvir pela Palavra de Deus), arrependimento, confissão (“Jesus é o Cristo, o filho do Deus vivo”), batismo (imersão), perdão de pecados, dom do Espírito Santo (Romanos 10:17; Atos 16:31; 17:30; Mt. 16:16; At. 2:38). O Exame mais aprofundado do Novo Testamento resultou em uma assistência na autonomia da Igreja local, sendo cada congregação responsável pela escolha de seus próprios líderes para dirigir o programa da adoração e culto. Credos foram rejeitados como pré-requisito para comunhão e teste de ortodoxia.

Uma aceitação do Novo Testamento como regra suficiente de fé e prática para cristãos era incentivados a todos.

Pr. Osório R. Gonçalves
E o Movimento da Restauração está vivo e continua…

Deixe uma resposta