O que é a “Confissão de Fé de Westminster”?

A Confissão de Fé de Westminster é um documento sem par, elaborado na mais madura etapa do desenvolvimento imediato da Reforma Protestante. A confissão e outros A Confissão_003documentos relacionados foram elaborados em uma assembleia – reunida na abadia da cidade de Westminster, Londres – em um longo processo, para o qual foram convocados, em primeiro de julho de 1643, 121 pastores e mestres – “instruídos, piedosos e judiciosos Teólogos”, segundo consta em descrição da época – dentre os quais muitos homens renomados em todo o mundo por sua erudição bíblica, fervor e sinceridade de fé e vida cristã irrepreensível; aos quais somavam-se ainda 30 homens de valor na Inglaterra, sendo 10 da “casa dos Lordes” e 20 da “casa dos Comuns”.

O objetivo da reunião da assembleia foi prover sábios conselhos sobre a forma correta, bíblica, de adorar, conhecer e servir ao nosso Senhor e Deus, tanto individualmente, quanto em família, e sobre como estabelecer a igreja na Inglaterra, inclusive disciplinar institucionalmente, conforme semelhantes parâmetros.

Os trabalhos desta assembleia se prolongaram por cinco anos, sendo os documentos ali elaborados, ainda, examinados e retificados como fiel transcrição da doutrina bíblica, por assembleias de teólogos reunidos na Escócia em 1690, 1700, 1704, como também, sucessivas outras vezes por dois séculos.

De tal forma que, como símbolo de fé e credo, com peso tal qual o símbolo Niceno e outros antigos documentos na história da igreja, somente eram considerados ortodoxos naquele país e, portanto, aptos para servir a igreja, juntamente, com os pastores, mestres, presbíteros ou pregadores, ou seja, homens que professavam (professam) na íntegra e sem emendas o conteúdo ali expresso.

Somente no fim do século XIX, quando a fragmentação dos grupos que se identificavam (identificam), com a herança da Reforma Protestante, mais proximamente ou não, em muitas diferentes denominações e igrejas díspares, impediu que semelhantes sínodos de teólogos herdeiros da reforma, novamente, se reunissem.

Tal exigência cessou, não apenas em relação aos padrões organizados em Westminster, mas também, quanto aos símbolos antigos. Contudo, embora sob esta ordem fragmentária, igrejas em todo o mundo ainda reconhecem a Confissão de Westminster integralmente, recebendo estes documentos segundo o valor que é devido a sua sublime fidelidade à doutrina revelada na Sagrada Escritura, dando-lhe verdadeiro valor de Credo, Confissão e Símbolo da Fé Cristã vivificada e libertada do babilônico cativeiro medieval, por meio da providencial Reforma Protestante.

Aguardem a Parte 3: Qual o cenário histórico que levou a elaboração deste documento?

Fonte: https://iprbsp.wordpress.com/

Deixe uma resposta